Desenhando com o lado direito do Cérebro – Parte 4: perspectiva intuitiva

[Veja a playlist de vídeos com os exercícios do livro https://www.youtube.com/playlist?list=PLf2cO1HvlOe7mdti23nBqAKQAurwNJUQ_ ]


No post anterior dessa série eu estabeleci os conceitos de escorço e perspectiva “formal” (veja aqui) e agora eu vou para a visão da Betty Edwards, que ela chama de perspectiva “informal”, mas eu acho que é mais uma perspectiva intuitiva.

É interessante que a autora fala que aprender perspectiva “destrava espaços”, mas, se você reparar bem na lógica dos exercícios, vai ver que é exatamente a mesma dos que eu mostrei nos posts anteriores, só que agora com outros tipos de temas e com um enfoque diferente.

A autora fala que isso vai ajudar a aprender perspectiva, mas eu acho que há uma certa ilusão aí. Os exercício abaixo ajudarão a compreender mais que você tem que acreditar no que está vendo e não no que sua lógica diz sobre o que está vendo e ajudarão a fazer relacionamentos melhores entre espaços, corrigindo a proporção nos desenhos.

Nas palavras da autora, a perspectiva é uma habilidade composta de duas partes. “A primeira é a avaliação visual de ângulos em relação à linha vertical e à horizontal; a segunda é a aferição de proporções entre si.” “Por exemplo, sabemos que o teto é um plano e que seu canto é um ângulo reto. Mas no plano de imagens, as arestas do teto não são horizontais, nem os ângulos dos cantos têm 90° — eles são oblíquos.”

Ou seja, essa é uma habilidade de percepção necessária que vai ajudar muito a desenhar o que você está vendo, contudo, limitar-se a isso dificultará na projeção de cenários no futuro. Essa habilidade de “criar do nada” um cenário correto, na minha opinião, só vai ser obtida através de muita prática para a formação de um acervo visual e com o aprendizado de um mínimo de teoria para ter uma estrutura de projeções.

Mas seguimos.

O primeiro exercício é de mera visualização. Você vai focar em um objeto mais ou menos regular, por exemplo uma mesa, de preferência em uma posição mais oblíqua, para você possa ver mais distorções. Com um lápis na mão e o cotovelo travado com o braço esticado, você vai fechar um olho e escolher alguma medida para ser sua unidade básica (você usa o lápis como referência visual e com um dedo você “marca” essa medida). Dê preferência uma medida que seja menor que as outras. A partir disso vai comparar todos as outras medidas em relação a essa e ver quantas vezes é maior. Você não pode sair do lugar nem abrir o outro olho para não distorcer o ponto de referência das medidas.

Nesse exercício é importante olhar como os ângulos que deveriam ser retos parecem mais abertos ou fechados, como algumas medidas que são menores podem parecer maiores na medição com o lápis. Verifique e compare todas as medidas do objeto e a relação entre elas.

Agora tente a partir do mesmo objeto criar um esboço no papel.

Você vai pegar o plano de imagens (falei sobre ele nos posts anteriores e tem um vídeo demonstrando o uso) e, segurando o plano com o braço esticado como você fez com o lápis, marque aquela linha que você usou de unidade básica, só ela.

Pegue um papel, delimite-o com o mesmo tamanho do plano de imagens e com a linha horizontal e vertical centrais e copie no papel a unidade básica.

A partir das suas visualizações anteriores, construa a figura sempre pensando na relação dos tamanhos com o tamanho da unidade básica. Essa medida é o dobro dessa ou 3 vezes maior e por aí vai até ter construído todo o objeto, sempre olhando e relacionando as proporções.

Exercício com um “desenho de verdade” em perspectiva

Escolha um canto da sua casa, um corredor, uma vista com a porta aberta, uma varanda ou algum lugar que você possa ficar sentando desenhando confortavelmente e de onde tenha uma visão com várias linhas e ângulos.

Pegue o plano de imagens e desenhe as linhas gerais do canto nele. Com uma caneta de cor diferente, marque a sua unidade básica, pode ser uma janela ou mesmo uma única linha. Lembre-se, você não pode mudar a posição do plano até acabar o desenho ou irá distorcê-lo.

Coloque uma folha atrás do visor para o desenho ficar mais claro.

No seu papel, que pode ser previamente matizado com grafite (passe suavemente um lápis por toda a superfície e fixe e homogenize o grafite com um papel toalha), comece a desenhar pela unidade básica.

Vá construindo todas as linhas e ângulos a partir dali e relacionando com a unidade básica. Lembre-se de não mudar o ponto de observação. Quando você duvidar de um tamanho ou de um ângulo, volte para o plano de imagens para ver como esse trecho que gerou a dúvida fica “planificado”.

Construa o desenho o máximo possível, colocando com paciência os detalhes, mas se preocupando mais com acertar as proporções e os ângulos das linhas.

Ou seja, o exercício é basicamente igual ao de meros contornos ou o de espaço negativo, só que o enfoque aqui são o relacionamento das distâncias e o relacionamento dos ângulos.

Esse é um exercício que deve ser feito muita vezes, com ou sem o plano de imagens. Você pode praticar a partir de fotos também, mas é preciso lembrar que a foto já está planificada na tela, ou seja, é um tanto mais fácil, pois ela já fixou para você o enquadramento e o ponto de vista, é como desenhar a partir da reprodução feita no plano de imagens. É válido? Muito, mas não deixe de investir em desenhos olhando objetos de verdade.

Eu fiz uma pasta no pinterest com referências de perspectiva e de escorço. Vale usar essas referências para confundir a cabeça com as medidas e as proporções diferentes do que costumamos racionalizar. A pasta é essa aqui https://br.pinterest.com/oliboni/perspectiva-e-escorço/.


Lembre-se, essas propostas são exercícios que fazem parte de um processo longo de aprendizado e não um mecanismo ou um truque para desenhar algo. O resultado desses exercícios não tem como objetivo criar um “desenho bonito” e sim ajudar na internalização de um processo bem mais complexo.

Ressalto que minha proposta aqui não é dar um curso de desenho, mas sim compartilhar o que eu tenho estudado.

Veja todos os textos sobre o livro aqui

Quem quiser comprar o livro, mesmo pagando caro, tem aqui http://amzn.to/2r6QT6E

Se você também está estudando desenho e tem alguma dúvida, quer ver outros tipos de exercício mais específicos, deixe nos comentários para que eu possa melhorar os posts.


Vídeo desse post