Djapa

O rodízio japonês virou meio que uma instituição em São Paulo, tanto quanto as hamburguerias, e se alastrou amplamente por todas as áreas da cidade.



Por ser uma comida cara, a ideia de poder ir por um preço fixo, que, no geral, é menor que um combinado limitado em um restaurante mais clássico, foi um dos elementos que ajudou a popularizar e cristalizar o sushi, que antes era muito visto como coisa “nojenta”, devido ao peixe cru.

Com essa abundancia de restaurantes é difícil escolher e separar os medianos que cobram caro ou os excelentes que cobram o justo.

Seguindo uma dessas listas de melhores rodízios fomos para o Djapa, em moema.

A casa é enorme e tentou se diferenciar criando um sistema mais literal de rodízio, onde as bandejas são levadas de mesa em mesa e o cliente escolhe quanto quer, como é no tradicional rodízio de carne, com direito, inclusive, àquelas fichas que você deixa na mesa para dizer se você quer que seja servido ou se já parou. Deve existir outras casas nesse formato, mas, além do Djapa eu só conheço o Kappa Sushi, que não me agrada.

Fora isso, o restaurante tem um esquema meio confuso com dois cardápios, um por $59 e um por $89 (preços do almoço durante semana, no jantar e fins de semana isso sempre aumenta). Basicamente o mais barato é o rodízio padrão que você vê em todos os lugares e o mais caro tem o acréscimo de frutos do mar como camarão, lula e ostra.

Eu tentei optar pelo completo para mim e o simples para a esposa, mas demandou uma negociação com o garçom e com o gerente, porque, por conta do esquema das bandejas corridas, teria coisas que um poderia e o outro não e isso criaria constrangimentos. No fim conseguimos negociar que fosse assim.

Uma das vantagens do rodízio completo são as ostras, contudo, vi que não vale pagar a mais só por elas. Por mais que sejam frescas elas não têm um tempero bacana acompanhando e são meio sem graça, fora que uma ou outra veio sem soltar a carne da concha.

No geral no geral ambos rodízios são oks, mas sem nenhum grande destaque que justifique qualquer classificação como melhor de São Paulo. Tem um atendimento bom, um gerente atencioso que passa em todas as mesas e, aparentemente um chef atento na cozinha.

Minha esposa pediu um tempura e veio um muito ruim, gorduroso, com um tempero que parecia esses prontos carregados de glutamato. Não reclamamos, mas ela também só deu uma mordida. Logo depois um garçom veio, que pediu mil desculpas, disse que não foi o chef que preparou aquele prato e trouxe outro, agora feito pelo chef, para experimentarmos. De fato o segundo estava excelente.

Ok, o ideal é não ter falhas, mas achei bem curioso e considero que um atendimento desse tipo, que se atenta até quando o cliente não reclama é algo elogiável e é um belo diferencial.

Ambos os rodízios dão direito a uma sobremesa, então experimentei o tempura de sorvete, que era bom, mas, olhando o resultado final dele mudaria o nome para hot roll de sorvete.

Conta: $162,80 durante semana no almoço (julho/17)

Vale? Olha, estava tudo certo, mas não tem nada espetacular e, apesar de ser bom, está longe de ser “o melhor de São Paulo”, na melhor das hipóteses colocaria em um grupo de bons japoneses da cidade. É o típico lugar que se você for morador da região, certamente será o seu destino frequente, mas, não sairia de casa para ir até Moema só para isso.