Jesuíno Brilhante

Ouvi falar muito do Jesuíno Brilhante, um restaurante de comida nordestina de muita qualidade e “preço baixo” (tudo tem preço baixo em relação à alguma coisa, não é mesmo?) que abriu ano passado em São Paulo.



Tentei ir uma vez, mas a lotação da casa e a perspectiva de espera fora impeditiva.

Como sou brasileiro e não desisto, depois de um tempo retornei e achei a casa em um dia bem mais tranquilo.

A decoração do lugar é bem peculiar, paredes brancas com alguns penduricalhos e as mesas e bancos cada um de um tipo.

O cardápio é bem prático e conciso, algumas poucas entradas (comi o bolinho de feijão, $14); pratos principais modulares onde você escolhe um principal e dois acompanhamentos (fui com a carne na nata, arroz de leite e feijão de corda, $25) e algumas sobremesas bem diferentes.

Vou dizer que sinceramente esperava um pouco mais de sabor na comida desse restaurante. Eu tenho um pouco de dúvida se a falta de sabor na maioria dos restaurantes nordestinos de São Paulo é por a comida nordestina em si não ter um apreço pelos temperos ou se é algo do gênero “comida nordestina para paulistano” (acho a segunda opção mais plausível).

Veja, não é que seja ruim.

O restaurante é ótimo para variar e comer ingredientes que normalmente não encontramos na maioria das casas de São Paulo. Além disso tudo tem uma textura maravilhosa, resultado de pontos perfeitos de cozimento e uma lubrificação que só a manteiga de garrafa oferece.

Mas sabe quando parece que falta alguma coisa. Percebemos isso logo de cara no bolinho de feijão. Tinha uma textura maravilhosa, frito com perfeição absoluta, mas faltava algo. Ele só fica completo mesmo se você o complementa com as variadas pimentas da mesa.

A comida segue a mesma toada. Podia ter mais pimenta, mais ervas, mais aroma. Eu acho difícil reclamar de um lugar que te entrega um prato rigorosamente no ponto, com tudo lindo, bem montado, mas eu senti a falta de uma potência.

De sobremesa eu comi a burra preta ($12) uma espécie de pão preto com especiarias que lembra um tipo de pão de mel puxado no melaço. Ali sim já senti uma potência e uma presença bem mais imponente. Se você for no restaurante, recomendo muito essa sobremesa, pois nunca vi nada parecido em outros lugares.

Conta: $ 115,50 (para duas pessoas maio/17)

Vale? O preço do principal é bom, mas se você acrescenta entra e sobremesa, mesmo dividindo, já não dá para falar que é barato, a execução é boa, vale pela curiosidade e para variar um pouco o cardápio com ingredientes de outras partes do Brasil, mas eu não diria que é um lugar que eu quero voltar sempre.