La Cassarole

No largo do arouche, um ponto que já foi da elite paulistana em outro século, resiste o tradicionalíssimo La Cassarole, um restaurantão francês clássico.



Eu sempre falo que tem o clássico e o velho. O clássico é aquele restaurante antigo que continua em boa forma, como se o tempo não tivesse passado lá. Onde as toalhas não estão furadas, os garçons estão bem vestidos e o lugar pelo menos aparenta faturar o suficiente para manter toda a pompa das épocas em que apenas as elites podiam comer fora.

Felizmente o La Cassarole está nessa categoria de clássico.

Não é barato, já adianto, ele se mantém como um restaurante de ricão, para chegar e pedir garrafas de vinhos de no mínimo 3 dígitos, e onde a conta não sai por menos de $100 por pessoa, mesmo que você seja muito econômico.

Eu voltei lá porque estava com vontade de comer Steak Tartar, um prato francês feito de carne crua e lá tem um dos melhores que eu conheço.

O steak tartar é um prato muito simples, o segredo está basicamente no corte da carne e no tempero e, no La Cassarole, essa última parte tem um charme a mais. O restaurante conta com garçons de longa data, bem treinados que preparam o tempero do tartar na frente do cliente e montam o prato. É uma frescura que não acrescenta nada, mas, naquela atmosfera clássica, acaba sendo um charme.

Fora isso o cardápio conta com todos os clássicos franceses, um terrine de pato ótimo e entre outras coisas.

Conta: $119,78 para uma pessoa dezembro/17

Vale? Olha, é difícil dizer que não porque a comida é boa, a atmosfera tem seu charme, mas também não como dizer que é barato. O restaurante é caro, muito, muito caro, você tem que estar bem disposto e bem desprendido do dinheiro para ir lá, mas que é bom, é bom.

 

Mais informações https://www.lacasserole.com.br/home.php