Meus restaurantes japoneses preferidos

Adoro comida japonesa. Wasabi com shoyu pra mim é um verdadeiro vício.

Felizmente de uns anos pra cá parece que tem um restaurante japonês em cada esquina de São Paulo- nem todos são bons, nenhum é barato, mas o fato deles estarem lá e competirem entre si ajuda muito na manutenção da qualidade e do preço.

Eu sempre gosto de conhecer novos restaurantes, mas tem cinco que eu gosto muito – por razões variadas – e como é relativamente caro comer nesse tipo de lugar acaba sendo difícil um novo restaurante entrar na minha rota pois quero sempre revisitar esses por quem tenho muito carinho.

Vou listar aqui os quatro e as razões porque  eu gosto deles. Espero que vocês visitem eles e descubram o quanto são bons.

Yashiro

Esse restaurante fica em Pinheiros na R. Fernão Dias, 525 e era bem fora de mão até a linha amarela construir um metrô na porta dele. É um restaurante bem tradicional com muitas opções à la carte, mas o irresistível mesmo é o buffet.

O sushi do Yashiro é um dos melhores que eu já comi. O arroz é muito bem temperado e – para quem gosta de wasabi como eu – os sushis já são preparados com uma pitada de wasabi que dá um tom especial para ele.

Além disso é um restaurante de tem ostra e sushi de ovas no buffet, então acaba valendo muito a pena.

Sea House

Adoro a região para Lorena. Tem ótimos restaurantes e preços no limite do aceitável. O Sea House é um desses. Uma casa que funciona no esquema de rodízio e onde eu me sinto muito em casa. Na real o Sea House não tem nada de muito especial, mas é um lugar bem decente, com vários quadros de personagens de mangás expostos, que serve ótimos pratos no rodízio e tem um ótimo temaki de ebi fry.

Ele é meio o ponto médio dos restaurante que eu gosto então acaba sendo um dos que eu mais frequento.

Fica na Al. Lorena, 1.267

Nanako

Esse é um restaurante bem tradicional e com várias filiais (veja todas aqui). A que eu mais frequento é a do Centro, escondida em um prédio minusculo, antigo, com direito a elevador pantográfico, na pequenina rua do comércio.

Ele tem um buffet bem tradicional, bem gostoso – só perde para o Yashiro, mas compete forte em preço, principalmente na unidade do centro. Sou aficionado por um sushi enrolado que eles fazem que leva salmão, atum e cream cheese. Os sashimis curtidos em molho shoyu também são bem legais e tem deliciosos anéis de lula empadados.

Kyodai

Esse é aquele restaurante que você se afeiçoa pela proximidade. Mas não é só isso, o Kyodai – que parece um trocadilho com o personagem do Changeman – tem sushis bem pequenos – ideal para comer em uma bocada -, tem hot rolls ótimos e tem algo que eu só vi para comer lá que é um temaki todo empanado, bem curioso.

Também é no esquema de rodízio e vale bem a pena, fica na Rua Domingos de Morais, 90, mas não abre aos domingos.

Shigue

Esse destoa um pouco da lista porque ele é o único que não tem nenhum esquema de rodízio/buffet. Ele é um restaurante beeeem tradicional, bem completo, com muitos pratos típicos quentes.

Adoro ir no Shigue, lá tem um prato – o Maguro Nato que consiste em uma cumbuca de arroz, atum cru picado, uma massa de soja fermentada e ovos de codorna – que é daquela linha que eu escolheria se tivesse que escolher um único prato para comer pelo resto da minha vida.

O Shigue fica na R. Dr. Sampaio Viana, 294

Duas observações gerais: A Liberdade tem ótimos restaurantes, mas também tem alguns péssimos que, só por estar no bairro, se acham no direito de servir qualquer coisa que o pessoal achará bom. Minha impressão é que os restaurantes tradicionais que ficam fora da liberdade têm que se esforçar um pouco mais já que não têm a aura da tradição.