O que ler na Social Comics

Quem curte quadrinhos já deve ter ouvido falar da Social Comics, um app em que o assinante por um valor fixo (atualmente R$19,90) tem uma boa quantidade de quadrinhos digitais disponíveis para ler a vontade.

Se tiver interesse em conhecer mais o serviço, fiz duas entrevistas com o CEO do app para o UHQ, leia a primeira aqui e a segunda aqui.

Tenho lido muita coisa lá nesses últimos tempos, mas pode ser que o assinante (ou quem ainda não assina mas queria ter ideia do que espera) não saiba exatamente o que ler ou mesmo tenha alguma dificuldade de encontrar algumas pérolas do acervo (a navegabilidade do Social Comics nessa primeira versão ainda é meio truncada, então de fato ajuda saber o que procurar.

Todas estão com o link direto para o título para quem usa a versão web, na versão mobile o jeito é pesquisar mesmo.

Aqui tem 15 dicas, mas depois com o tempo vou pautando mais.

Klaus – Essa HQ é um trabalho surpreendente do Felipe Nunes – que inclusive recebeu um HQMix por ele – a arte é linda, com um arte-final soberba e um roteiro ágil de tirar o fôlego, se não leu, não perca tempo, leia agora.

Beladona – essa é uma HQ interessante que está disponível para ler online gratuitamente no Petisco, mas na época que saia não gostava do ritmo de leitura e um ou duas páginas por semana e abandonei. Agora com a versão integral na Social Comics eu li e gostei muito, vale a pena.

A última Bailarina – Essa HQ independente é uma preciosidade. Um desenho maravilhoso no estilo do cartoon network na época do laboratório de dexter e outros. A HQ é engraçada, dinâmica, uma verdadeira descoberta pra quem não tinha lido.

Necromorfus – uma HQ bem interessante com desenho do Magenta King sobre um personagem que assume a forma de mortos.

Amarok – Victor Moura é outro achado na Social Comics, é um desenho muito interessante e a história é praticamente muda. Aproveite e veja os outros títulos dele as três HQs que ele tem lá por enquanto são excelentes.

O Cabra – Eu gosto do trabalho do Flávio Luiz em geral, mas O Cabra é meu preferido, Um traço diferente, um pouco menos cartum, um pouco mais ação. Vale a pena ler. Eu mesmo reli na Social Comics de tanto que eu gosto.

Quaisqualigundum – Baita trabalho do Roger Cruz e do Davi Calil. Quando estava fazendo um curso com o Calil vi várias das páginas originais do álbum e são lindas, todas, vale muito a pena a leitura, quer você goste do clima Adoniram quer não.

Macaco Albino em seu Macaco Albinho – adoro o Macaco Albino do Robles, não é aquele humor de punch line, mas é um humor com que você se identifica, eu reli na Social Comics e ri de tudo de novo. Recomendo, inclusive porque no digital o traço fica até mais bonito.

X-O Manowar – No momento um dos grandes destaques internacionais da Social Comics é o Universo Valiant publicado pela HQM. Vou confessar que não tinha lido nada da Valiant quando eles lançaram nas bancas e agora que conheci X-O Manowar vejo que foi uma falha grave, são títulos excelentes, uma escolha ousada, diferente, com um traço bacana. Vale a pena conhecer esses títulos.

Snoopy – A Felicidade é um Cobertor Quentinho! – Outro destaque da Social é a Editora Nemo que está com um catálogo bem bacana. Uma das surpresas são os títulos do Snoopy inclusive essa empreitada de colocar os personagens em uma história maior. É bem divertido para quem gosta do personagem.

Guia Culinário do Falido – Um mix de histórias bem bacana com cinco autores falando sobre sua falta de habilidade culinária. Vale muito a pena, o traço de todos é muito bom e as histórias são ótimas. Um dos destaques é o Felipe 5Horas que surgiu meio do nada e desenha muito
Nostaltung – Não tenho muito o que falar desse título, o autor chama Urbano, é uma história bem non sense mas com um traço muito interessante, tem outros materiais dele na mesma linha.
Quack: Patadas voadoras: Essa HQ é serve de prelúdio para a história  com que o Kaji Pato ganhou o primeiro prêmio de mangás da JBC. No mix da JBC ele definitivamente não mostrou o melhor roteiro, mas tinha uma desenho impressionante. Aqui ele começa a desenvolver melhor a história e, apesar de ter uma estrutura bem tradicional de mangá, vale a pena pra conhecer o trabalho dele que é bem bacana visualmente
SURUBOTRON – HQ muda bem bacaninha (e linda) do Davi Calil. É uma HQ muda – eu amo HQs mudas.
A História Mais Triste do Mundo – Eduardo Medeiros tem um traço bem peculiar, bem cartum, muito expressivo, vale muito a pena ler essa história divertida – que apesar de triste é também bem engraçada – sobre o punk Mathias.