Exercício básico de desenho 4: adição e subtração de luz (iniciação a pintura)



Antes de mais nada recomendo ler esse texto sobre a importância de um curso de desenho

Mais exercícios aqui http://diletanteprofissional.com.br/category/ilustracao/exercicios-de-desenho


No vídeo anterior dessa série eu falei sobre a importância do contraste, do acerto do valor tonal e de como isso melhora muito o resultado do desenho.

Depois disso eu comecei a fazer alguns estudos em carvão, focando no desenho e na escala de valor tonal, trabalhando praticamente como eu sugeri no exercício, 4 valores tonais na escala para compor o desenho.

A diferença é que eu modifiquei um pouco as regras do jogo partindo de um papel que não era branco.

Basicamente tem duas formas de desenhar e pintar: a subtração de luz e a adição de luz.

A subtração de luz é o método mais tradicional, você escurece as áreas de sombra da sua imagem e o branco do papel é a luz. Quando mais você desenha ou pinta, mais você cerca essa luz de tons escuros. A subtração de luz é basicamente o que é feito no desenho tradicional, nos trabalhos com grafite e carvão e na aquarela, ou seja, técnicas transparentes.

A adição de luz é o processo inverso. Você ou parte de um papel escuro e desenha a luz com uma material opaco (giz pastel, por exemplo), ou você faz a parte da sombra da arte, criando os tons escuros e depois volta abrindo a luz, isso é comum nos trabalhos feitos com giz pastel, com gouache, óleo, acrílica, ou seja, técnicas opacas.

Antes de começar a pintar é interessante entender esses dois processos com materiais mais acessíveis e mais próximos do lápis que é a ferramenta inicial, por isso esse é um bom exercício.

Então vamos para a proposta da vez:

Exercício

Comece com um papel que já tenha uma cor de tom médio, o papel kraft é perfeito, a cor dele é bonita, ele é bem barato, pode ser encontrado com facilidade em várias gramaturas e tem uma textura que ajuda no atrito com o carvão.

Com lápis ou carvão ou giz pastel preto faça seu desenho.

Na hora da luz e sombra considere o papel como os dois tons mais claros, ou seja, com o lápis você só vai representar o que for o preto mesmo e o que for o tom médio-baixo, o tom médio mais escuro.

Vá trabalhando cercando as áreas do papel.

Por último com um lápis ou um giz pastel branco represente as áreas de luz intensa, no geral só os highlights.

Ah, mas eu não tenho kraft, nem giz branco.

É simples, pega o papel normal e o seu lápis e crie uma superfície matizada, ou seja, esfregue o grafite de leve sobre o papel até cobrir ele por inteiro de forma homogênea, não force o lápis para não escurecer demais.

Depois faça o mesmo processo dos dois tons mais escuros, o grafite inicial é o tom médio-claro e, por fim, com a borracha, abra a luz no seu desenho, desenhe a luz com a borracha apagando a área matizada inicialmente.

Tem o vídeo aí para deixar um pouco mais claro o processo. E é isso, dúvidas, deixa nos comentários.