Mad Max – Fury Road

Acho que fazia tempo que um filme não causava um furor positivo tão grande como Mad Max, principalmente sem um aporte financeiro de publicidade. O que eu vi de artes fantásticas feitas pelo fãs e a paixão que o visual do filme gerou é impressionante. E, o mais legal, é quando isso é algo sincero, óbvio sempre tem um departamento de marketing que faz a sua parte, mas tem um lado mais orgânico que é o engajamento do fã. Isso não se compra com nenhum orçamento de publicidade.

E sim, Mad Max é um grande filme de ação.

Tudo no filme é feito em função do gráfico, do visual, da plasticidade do impacto das cenas no cinema.

Não tem uma história bem elaborada, não tem personagens profundo, tem ação. (Tem história, mas é aquela história tão bobinha que não acredito que ninguém tenha assistido e falado: nossa, que trama legal; não é essa a proposta do filme, não é ser “inteligente”)

É basicamente uma Corrida Maluca (o desenho da Hanna Barbera) para adultos.

E veja, não tem nada de errado nisso.

A gente passou por uma fase no cinema em que tudo tinha que ser explicado, tudo tinha que ter um quebra-cabeça, tinha que ser inteligente. Bobagem, pode-se e deve-se ter de tudo que o público naturalmente vai selecionando.

Mad Max e outros filmes de ação não estão abrindo a porteira para o emburrecimento, só estão mostrando que é possível investir em um outro tipo de atrativo, no cinema visual, bem dirigido, com ritmo frenético.

Pode ter certeza que vários outros filmes nessa linha não vão ter sucesso, assim como centenas de filmes cabeça vão fracassar.

Mad Max é o triunfo da estética, do espetáculo, da direção que garante que você saiba exatamente tudo que está acontecendo em um montagem complexa com vários focos de ação rolando ao mesmo tempo.

Sobre os filmes anteriores, talvez o que seja realmente importante seja o 2. O primeiro filme é chato demais, dá sono, ainda não tem muita definição desse universo mais louco. No segundo que começa a “estética” Mad Max que aliás se espalhou para muito da ficção nos últimos 30 anos.